O Samba Pede Passagem completa 35 anos


Ouvia com meu falecido pai quando eu era criança, e continuo ouvindo o programa O Samba Pede Passagem com o locutor Moisés da Rocha até os dias de hoje pela Rádio USP FM, com certeza ele é uma das maiores influências,para mim (DJ CRIS ODS), na produção do programa Samba Black Show aqui na Comunidade Brasileira de Música Negra.

O Samba Pede Passagem o programa de samba pioneiro do rádio FM no Brasil completa 35 anos de existência.

Quem nunca ouviu o grande locutor Moisés da Rocha com o seu bordão “OOOOOOO SAAAMBA PEDE PASSAGEM…” não sabe o que está perdendo.

No ano de 1978 o Brasil estava sob o comando intolerante do regime militar e é neste momento que surge na Rádio USP O Samba Pede Passagem, que visava uma relação com o a população das periferias, principalmente os negros, com o rádio.

Além de levar a música as pessoas o programa também se preocupava em transmitir informações, notícias e produções da periferia que faziam e ainda fazem parte do diferencial do programa.

Segundo Moisés da Rocha em entrevista ao Jornal Agora ele diz:

“Sempre tivemos a preocupação de não fazer do programa um grande ‘vitrolão’, em que músicas são jogadas no ar sem maior detalhamento. Gosto de contar sobre cada canção e de explicar de onde vieram e como surgiram”, diz Moisés.”

“Além disso, abrimos espaço para talentos que surgem nas comunidades. Tem muita gente boa que sai desses locais.”

Para quem não conhece o produtor, pesquisador e apresentador Moisés da Rocha, 70 anos, ele é um dos principais divulgadores do samba, soul, funk, samba-rock e, mais tarde, do rap no Brasil, Moisés da Rocha é o homem à frente do aclamado programa radiofônico “O Samba Pede Passagem” que completa 35 anos de existência.

Ouçam o programa O Samba Pede Passagem todos os sábados e domingos das 12:00 as 14:00 na Rádio USP FM.

Parabéns!

DJ Cris ODS

Fontes:

Jornal Agora – ‘O Samba Pede Passagem’ mantém a tradição do gênero, na Rádio USP

Nelson Triunfo do Sertão ao Hip Hop

O MENELICK 2o. ATO AFROBRASILIDADES E AFINS

Comentários

comentários